A fundação desta Pós-Gradução veio preencher uma lacuna há muito tempo existente no panorama nacional na área da formação especializada em ópera nas suas diversas vertentes, e na sua relação intrínseca com o processo de concepção, produção, realização e apresentação do espetáculo ÓPERA.

O Estúdio de Ópera encontrou na ESMAE, e na transversalidade do conjunto dos departamentos existentes de Música e Teatro, um lugar privilegiado para a produção de ópera, onde inaugurou em 2012 com a Mahagonny Songsspiel e Os Sete Pecados Mortais de Kurt Weill/Brecht, a temporada de ópera da ESMAE. Em Março 2013, L’Enfant et les Sortilèges de Maurice Ravel; Maio de 2013, The Fairy Queen, de Henry Purcell; Junho de 2013, Dialogues des Carmelites de Francis Poulenc; Julho de 2013, A Flauta Mágica de W. A. Mozart/Konwitschny; Dezembro de 2013, Dolorosa Speciosa de Vivaldi/Bach; Março de 2014, A Hora Espanhola de Ravel; Junho de 2014, O Auto da Índia de Gil Vicente. Seguem-se: Abril de 2015, Spekularis de Marcos Barbosa; Maio de 2015, Opera dos Três Vinténs de Kurt Weill/Brecht; em Junho de 2015, o Projecto Ulisses (inserido no projecto europeu de Opera and Landscape) e em Julho de 2015, Ordo Virtutum, de Hildegard von Bingen. Em Março de 2016 apresentou o espetáculo, criação coletiva, a Audição, no Teatro vilarinha e que repetirá em Março de 2017. Em Maio, de 2017, será apresentada em itinerância, a ópera Cosi fan tutu de Mozart, em Portimão, Castelo Branco, Famalicão e Porto, e em Julho a Cantata Cénica de Isabel da Rocha, e em Setembro a estreia moderna da ópera de Marcos Portugal, La Donna di Genio Volubile.

O Estúdio de Ópera da ESMAE conta com a colaboração da Pós-Graduação em Ópera e Estudos Músico-Teatrais da ESMAE que é desde 26 de Maio de 2013, Associated Partner do ENOA European Network of Opera Academies.

Desde 2016, com a entrada da Pós-graduação em Ópera da Esmae como partner para a rede alargada da European Opera Academies (EOA), o Ópera Estúdio da ESMAE poderá a partir do ano letivo 2016/17 concretizar o objectivo de internacionalizar as suas produções.

Profissionais no domínio da Ópera e dos Estudos Músico-Teatrais cantores, instrumentistas, cenógrafos, figurinistas, produtores, diretores de cena, compositores, correpetidores e teóricos em estudos em ópera e músico-teatrais.

Documento comprovativo da titularidade da habilitação com que se candidata;
Carta de motivação para a frequência do curso;
Prova de Aptidão – Interpretação de uma obra orquestral imposta;
Entrevista;
Currículo Académico;
Currículo Artístico;
Currículo Profissional;

António Durães
António Salgado
Cláudia Marisa
Rui Taveira